Muito além da roupa suja

Ônibus Executivo de Curitiba: uma dica e um perrengue

As coisas raramente acontecem como planejamos e, é nessa hora que tudo dá errado, que aparece a história pra contar. Fui pra Curitiba num esquema financeiro quase apertado. Pra vocês terem uma idéia, meus amigos todos ficaram hospedados no Victoria Villa, no Centro da cidade, e muitos de nossos eventos foram lá. Eu, por conta de 140 reais, optei por ficar no Ibis do Batel, a 30 minutos de caminhada. Na verdade, tinha um Ibis Budget bem mais perto mas, aí, contou um pouco a questão da localização também.

O fato é que estava meio dura, então nunca ia cogitar pegar um táxi do aeroporto ao centro. Optei pelo Ônibus Executivo, que custa 12 reais e faz várias paradas em Curitiba.

Onibus Executivo de Curitiba

 

Como eu achei que seria

Chego no aeroporto, pago 12 reais e pego um ônibus. Fico 40 minutos usando o Wi-Fi do ônibus com ar condicionado e depois ele me deixa a 4 quarteirões do meu hotel. Na pior das hipóteses, se estiver chovendo, pego um táxi.

No futuro, devo me lembrar de ser um pouco mais criativa com o cenário “pior das hipóteses”.

 

Como foi

Estava chovendo em Curitiba, quando cheguei. Esperamos alguns minutos pelo ônibus (encontrei uma amiga no avião) e embarcamos. Até aí tudo bem.

Tudo quase bem, porque o ônibus acho que não estava com o A/C muito ligado, estava bem abafado lá. Me concentrei e foquei em não ter crise de claustrofobia e em não vomitar (eu fico meio enjoada em lugares abafados e em ônibus). O ônibus é bem novo, confortável e tem um bagageiro interno, o que eu acho ótimo!

bagageiro

Por causa da chuva e do horário, o trânsito estava bem tenso até a cidade e, no meio do caminho, alguém abriu um pacotinho de Pingo d’Ouro. Então o bafo-bus ficou aromatizado artificialmente sabor bacon.

Fiquei brava e dei umas olhadas franzidas para o cidadão, mas ele não fechou o salgadinho e não também não me ofereceu.

Regra do Universo: todo e qualquer bafo-bus leva à abertura de salgadinhos fétidos.

Pelo menos não era Doritos…

Depois de mais de uma hora no ônibus, finalmente cheguei na minha parada, na Rua 24 Horas. Tinha um ponto de táxi lá perto, mas estava vazio, então fiquei esperando. Nisso, notei que não era a chuva e o horário do rush sozinhos que estavam causando no trânsito de Curitiba. Estava rolando manifestação!

Aí eu já saquei que nunca ia aparecer um táxi livre pra descer a rua comigo, e resolvi ir a pé. Fui turistíssima, inclusive, e perguntei para um carinha se tinha problema de segurança na rua e tal. E, realmente, era ótima! Super iluminada, não me senti tensa em nenhum momento.

Fui subindo uns 4 quarteirões, arrastando mala de rodinhas pelas calçadas podres de pedra, na chuva. Imaginem minha alegria quando finalmente cheguei no hotel! Deixei minhas coisas rapidinho no quarto e pedi um táxi na recepção, porque eu tinha uma festa junina lá no hotel da galera.

A moça falou que iria demorar mais de uma hora, porque os táxis estavam com dificuldade de chegar no hotel. Depois de uns 20 minutos que a empresa não tinha nem conseguido o carro pra mandar pro Ibis, resolvi tentar minha sorte num ponto de táxi que tinha na esquina.

Cheguei no ponto e já tinha uma menina lá, que logo entrou num táxi. Nisso, já tinha juntado uma galera no ponto e eu fiquei pensando se chegaria um táxi logo ou se a menina tinha ficado 2 horas esperando.

Quase desisti de ir na festa em vários momentos, principalmente quando vi uma Pizza Hut quase em frente ao hotel, mas sou brasileira e não desisto nunca… Fiquei conversando com duas meninas no ponto, elas contando que já tinham pedido táxi pelo telefone há um tempão e até aquela hora, nada! (Sim, eu sou tão carismática que faço amizade no meio da rua, com curitibano) Foi quando eles decidiram ir para a rua de trás, disseram ser mais movimentada e que teríamos mais chances de conseguir um táxi. Resolvi ir junto.

Quando íamos atravessar a rua, chegou um táxi!! Fiquei até zonza, porque um maluco veio correndo pro carro, mas as meninas começaram a gritar, falar que eu tava esperando. Fiquei surpresa com a civilidade do cara e das meninas. Aí falei pra elas entrarem no táxi também que, depois de parar no meu hotel, elas poderiam seguir. Melhor do que ficar na chuva esperando contra a esperança, né?

E, como sempre, deu tudo certo. Umas 3 horas depois de desembarcar em Curitiba, cheguei na festa e tinha amigos queridos e canja quentinha me esperando! Quer final melhor pra uma noite como esta?

 

Moral da história

– Super recomendo o ônibus executivo pra fazer o translado do aeroporto em Curitiba. Mesmo que seu hotel não seja muito perto de um dos pontos, já ajuda a baratear o táxi. Oriento que não leve Doritos nem Cebolitos na viagem, o resto a galera pareceu aceitar bem.

– Evite precisar de táxi em Curitiba, na chuva, em dia de manifestação.

 
Vai para Curitiba? Pesquise no Booking mais de 100 opções de hospedagem na cidade!


 

Deixe um Comentário